domingo, 26 de junho de 2011

1° ENTREVISTA DO JORNAL DELFOS


Um dia desses, passeando pelo Orkut, encontrei uma comunidade chamada “Ateísmo e Anticristianismo” e vasculhei o fórum.


Achei um relato de um professor, denunciando que tinha sido demitido de uma escola já há algum tempo por ser ateu, pura e simplesmente.

Esse não foi o único relato de intransigência religiosa que encontrei lá.
Então resolvi dar uma força, como pude; a simples palavra.

Todos devem saber, hoje, que intransigência religiosa é crime. Pois bem, mas nem todos sabem que isso vale também para combater o preconceito contra os ateus, que é imenso nesse país LAICO, que alguns insistem em chamar de católico.

Pois bem, acabou que o professor resolveu conceder-me uma entrevista para o Delfos. Fiquei indeciso quanto à ora de publicar esse conteúdo, todavia, dia desses, visitei a comunidade novamente e vi os comentários do professor.

Ele entrou com uma ação por danos morais e materiais contra a escola que lhe havia demitido sem justa causa e ganhou o caso.
A escola pagou a ele um pouco mais de 15.200 (quinze mil e duzentos) reais.
Então, sem mais conversa, trago agora em primeira mão, a 1° entrevista do Jornal Delfos, via internet.

Antes da entrevista em si conversamos um pouco:


Ateu Poeta:
Cara, descriminar ateus é crime sim.
Denuncia.

Vou usar o teu caso e outros pra criar um artigo em meu jornal em defesa dos ATEUS, se você me der permissão para usar o seu relato na comunidade "Ateísmo e Anticristianismo”.

Silveira Viana:
Pode usar como quiser. Se precisar, até te dou uma entrevista.

AP:
Com certeza, cara.
Já criei o texto, mas uma entrevista seria muito bom.
Será a primeira entrevista do meu jornal, já pegando um caso sério assim.
Pode ser via orkut mesmo?

SV:
Pode sim.

AP:
Eu também serei professor, daqui a uns tempos.
A primeira pergunta então:

A ENTREVISTA COMEÇA:

AP: 1- Há quanto tempo tu lecionavas naquela escola?

SV:
Lecionava a cerca de três anos.

AP:
2- Onde se encontra tal escola (Estado e cidade).

SV:
Brumado, BA.

AP:
3- Atualmente você dá aula em outro colégio ou está a procura de emprego?

SV:
Dou aula em outros colégios. Estou empregado e bem empregado.

AP:
4- Conte-nos, como se deu o caso da sua demissão devido à intransigência religiosa do diretor.

SV:
Alguns alunos descobriram que eu era ateu, e me perguntaram se eu me importava em fazer um debate sobre evolução e criação, achei super interessante e aceitei.

Eles falaram com a direção e com outro professor, que dava aulas de filosofia e era seminarista, marcamos.

Todo o ensino médio participou, começamos a expor nossos pontos de vista. Até que um aluno me perguntou se eu acreditava em Deus, dei um sorriso e disse que não, que era ateu.

O burburinho se instalou. Terminou o ano e a diretora disse que não precisava mais dos meus serviços e disse: "aonde os meus alunos vão chegar com um professor ateu?". Respondi: "eu sou professor da sua escola se você acha que isso é pouco? então!" foi assim.

AP:
Professor, obrigado por conceder a entrevista ao Jornal Delfos e acima de tudo, obrigado pela idéia da entrevista on-line, o que ocasiona uma reconfiguração do próprio Delfos, uma vez que não nos passava pela cabeça realizar entrevistas on-line. Tentaremos fazer com que essa experiência se repita.



Ateu Poeta


Presidente do Jornal Delfos
Ceará-Bahia, via Internet, 2010